Fale Conosco
:: Sábado, 27 de Fevereiro de 2021
A A A







Valid XHTML 1.0 Strict  CSS válido!

Nano Satélites

Um satélite é qualquer objeto que orbita ao redor de outro, que se denomina principal. Os satélites artificiais são naves espaciais fabricadas na Terra e enviadas em um veículo de lançamento. Os satélites artificiais podem orbitar ao redor de luas, cometas, asteróides, planetas, estrelas ou inclusive galáxias. Depois de sua vida útil, os satélites podem ficar orbitando como lixo espacial, até que reentrem na atmosfera terrestre, ou podem ser direcionados, através do uso de propulsores, ao espaço profundo.

Os satélites artificiais podem ser catalogados ou agrupados segundo sua massa, como mostrado abaixo:

  • Grandes satélites: cujo peso seja maior a 1000 kg;
  • Satélites médios: cujo peso seja entre 500 e 1000 kg;
  • Mini satélites: cujo peso seja entre 100 e 500 kg;
  • Micro satélites: cujo peso seja entre 10 e 100 kg;
  • Nano satélites: cujo peso seja entre 1 e 10 kg;
  • Pico satélite: cujo peso seja entre 0,1 e 1 kg;
  • Femto satélite: cujo peso seja menor a 100 g.

O projeto CONASAT optou pelo uso de nano satélites para a coleta de dados ambientais, e partindo-se desta premissa, o primeiro modelo estudado foi o CubeSat, criado pela California Polytechnic State University e baseado em módulos cúbicos de arestas de 10 cm. No momento inicial este padrão se mostrou um pouco crítico no tocante à disponibilidade de área externa para colocação dos painéis solares que geram a energia elétrica que alimenta os subsistemas do satélite, além de espaço físico destinados às antenas. Com a adoção deste padrão com o tamanho de 3 módulos, além da expansão de mais 2, de forma telescópica, além da inclusão das 4 abas articuladas, começa a se tornar viável, porém há um considerável aumento das dificuldades mecânicas envolvidas

modelo_01

Uma segunda alternativa que se apresentou viável foi o padrão adotado pelo Space Flight Laboratory da Universidade de Toronto, também cúbico, com arestas de 20 cm e massa máxima de 10 kg, o que permite uma margem maior para contornar as limitações existentes no modelo anterior, além de apresentar menores dificuldades mecânicas. A utilização das 4 abas articuladas oferece área suficiente para as antenas e painéis solares adicionais, permitindo assim a geração de energia elétrica suficiente para a expectativa de consumo do satélite.

modelo_02

A alternativa mais recente, e que também vem se apresentando viável em todos os aspectos, é a utilização do padrão CubeSat 3U, com um sistema de multi antenas articuladas. Esta alternativa se mostra mais econômica do que as outras, além de apresentar menos complicações no ponto de vista construtivo. A telemetria, o telecomando e a recepção dos dados das PCDs seriam feitas atravez de antenas do tipo dipolo eletromagnético, enquanto a transmissão de dados para a estação receptora seria feita na banda S de frequencia e por sua vez utilizaria de uma antena planar (micro-fita)

modelo_03

Por se encontrar na fase A do projeto, ou seja, em uma etapa inicial, onde muitas escolhas são avaliadas, o grupo CONASAT continua buscando alternativas de modelos para nano-satélites, de forma a tornar a missão a mais funcional possível.

Realização